Notas de Aula

A verdade e sua garantia

Buscando uma resposta a uma interessante indagação de um aluno:

“O que garante a existência da verdade?”

A dialética implica, nos seus traços mais próprios,  uma teoria coerentista da verdade e assume um pressuposto central do idealismo objetivo, a identidade estrutural entre ser e pensamento.

Neste contexto, a verdade aparece com uma dimensão epistêmica (aqui a dialética dialoga sem problema com uma teoria da verdade como “correspondência” ou “apresentação” dos fatos ou eventos) e uma dimensão ontológica (conformidade de um evento com o Conceito (Hegel) ou com a Ideia da Coerência).

Do ponto de vista epistêmico, a garantia é falível e negativa: pagamos o preço por supor verdadeiro o que não é verdadeiro (note que “pagar o preço” implica uma ontologia: não há epistemologia sem pressupostos ontológicos); mas há uma assimetria radical aqui: não “pagar o preço” de supor verdadeiro o que não é verdadeiro não significa ser verdadeiro o que se supõe verdadeiro.

Do ponto de vista ontológico, a “garantia”, por igual precária, é a suposta (olha o reverso agora, a dimensão epistêmica pressuposta pela ontologia: não há teoria do ser sem epistemologia) verdade da afirmação de que “toda perda de determinação da parte envolve transformação de determinação em um todo mais abrangente”, ou seja, supõe a eternidade do universo e a verdade da afirmação ex nihilo nihil fit.

Padrão
Fragmentos, Notas de Aula
As virtudes públicas em economia:
  • Poupança;
  • Moeda estável;
  • Impostos baixos.

↪ criação de riqueza

*

Os vícios públicos:

  • Consumismo;
  • Moeda instável ou inflação;
  • Impostos excessivos.

↪ expropriação governamental e empobrecimento.

*

Mas as virtudes são virtudes: custosas a curto prazo, compensadoras a médio e longo prazos; e os vícios… bem, os vícios são, como sabemos, o contrário.

*

El Calafate

Padrão
Enlaçamentos (2017), Fragmentos, Notas de Aula

Os três níveis de reconhecimento ético:

1. Reconheço a liberdade do outro como pré-condição de minha liberdade (autonomia como valor extrínseco);

2. Reconheço a liberdade do outro como um bem em si (autonomia como valor intrínseco);

3. Reconhecemos mutuamente nossa liberdade como um bem em si (autonomia recíproca).

Padrão

image

Notas de Aula
Imagem

image

Notas de Aula
Imagem
Notas de Aula

Por que a integridade é um bem primeiro?

O ser é evento, e o evento, uma determinação.

Eventos existem determinando e sendo determinados por outros eventos. Eventos figuram juntos, em configurações.

Se os laços de codeterminação se perdem no infinito, os eventos não se consolidam, sendo tragados pelo devir universal.

Continuar lendo

Padrão
Notas de Aula

Modos de agir (hábitos) que, no longo prazo, preservam ou expandem a autocoerência ou integridade pessoal são virtudes próprias.

Modos de interagir (costumes) que, no longo prazo, preservam ou expandem a autocoerência ou integridade social são virtudes coletivas.

Quando duas ou mais virtudes próprias se reforçam mutuamente e florescem juntas temos as virtudes interpessoais, as virtudes éticas propriamente ditas.

image

Padrão